Poesia Portuguesa

Poema de Tatiana Faia

Do livro Lugano recentemente publicado pela Artefacto Edições, 2011.

JANO BIFRONTE

alinhados esperamos o primeiro

o perecível fio da manhã com os seus guizos

essa luz de cinza e azul que no chão

decidirá dos nossos rostos esperando partir

para a promessa da manhã que suave se inclina

e como acontece no poema de dylan thomas

temos estrelas tatuadas nos cotovelos e nos pés

.

e tu dirias não sei porquê dias que das moedas têm as duplas faces

onde com tanta concisão nos iluminamos e apagamos sem

termos envelhecido nos espelhos por onde seguimos cantando

e eu sei tu tê-lo-ias dito como se partilhássemos o mesmo chão

e aos poucos fôssemos sendo o que todos os homens são

.

semelhantes àquele deus bifronte que sempre apontando

em imperfeitos gestos duas coisas tão opostas

inspira em nós um amor pelas coisas tão dilacerado

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s