Revistas / Rui Tinoco - Poesia

nunca sei onde está a voz

nunca sei onde está a voz
que afinal não perdi. já
sou homem assim: com
versos. volto ao princípio.
eis a arte incompreensível dos
regressos, os inícios que são,
a toda a hora, diferentes.
é inevitável: sou uma outra pessoa,
estou de pé, sereno, ao lado
da emoção primordial.

RT Revista Di Versos #13

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s