Poesia Portuguesa

Poema de Víctor Oliveira Jorge

são precisos muitos anos

para se atingir a juventude.

 

muitas derivas

para se saber exactamente

o que se quer fazer.

 

para perder a vergonha

do corpo, e da alma,

 

e expô-los unidos

em toda a sua

circunstância

de brilhante ruína.

 

é preciso correr mundo

para se adquirir a serenidade

das árvores,

 

que não estão tão paradas

quanto se julga;

 

e observam.

 

leva muito tempo

a desaprender

a des-aparecer.

 

e a poder conviver

com as presenças amáveis,

os rostos gentis

que povoam os areais vazios,

e os bancos solidários.

 

e quando às vezes um gato corre

para nos enconstar o focinho

ao nariz,

 

é preciso terem passado

muitos anos

para se sentir a gratidão

dessa atitude.

 

é preciso termos gasto

muitas ruas, muitos percursos,

 

para nos sentarmos frente

à realidade

 

e, sem esperar pelo resultado

de quaisquer oráculos,

vê-la arder em pequenos fogos,

 

intensos e contidos

em suas aras.

In Pequeno Livro de Aforismos, Víctor Oliveira Jorge, Edições Sempre em Pé, Águas Santas, 2008.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s