Poesia Portuguesa

Poema de Jorge Carlos Vilhena

De quanta dor juntamos nesta vida,

da doença, da amizade corrompida,

dos mortos que, conquanto recordando,

vamos de nós aos poucos apartando,

do envelhecer do corpo e do desejo,

a que mais entristece eu antevejo –

a do amor lembrança se tornando.

jan 92

(Na revista DiVersos nº 3)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s