Rui Tinoco - Poesia

Entesouramento do poço da casa de S. Sebastião das Carvalheiras

o tesouro escondido no poço

para que mãos hostis não ousassem

usufruir dessas riquezas. para

que houvesse um futuro, quero

dizer: para que as crianças

não viessem a passar

necessidades. dizia-se o pior

dos guerreiros bárbaros: nenhuma

muralha os diminuía,

eles eram só mãos hostis –

ódio transformado em faca

a interromper o tempo. o breu

do poço irá dissimular nosso

intento. nessa altura

ainda não tínhamos

sido despojados do futuro.

será o futuro a encontrar

essas riquezas, expô-las

em vitrinas: para alimento

de curiosidades futuras.

*

Nota: na casa romana de S. Sebastião das Carvalheiras encontrou-se, escondido num poço, um tesouro datado do período da queda do império romano. O tesouro encontra-se atualmente em exposição no Museu D. Diogo de Sousa, na cidade de Braga.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s