Sublinhados

O nada, de acordo com a cultura japonesa

E frente a ela, o «Jardim do Absoluto Nada» dá-nos o termo da navegação. As pedras desaparecem. Só resta a areia branca, com dois pequenos montículos – também de areia feitos, prefigurando os montes de Horai e Sumer, a montanha inicial e a montanha final.

João Bénard da Costa, Quinze Dias no Jopão. Crónica Daizen-In (do absoluto nada).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s