Rui Tinoco - Poesia

contradigo-me no outro personagem do texto

contradigo-me no outro

personagem do texto. mais à frente,

entre vírgulas, passeia um

deus e o leitor que acha

tudo isto inverosímil

di-lo já no verso seguinte.

mas a história nunca termina

não existe tal coisa de fechar

o livro, dar por encerradas

as peripécias e aguardar

que as vozes dos outros completem

o sentido. por exemplo: o crítico

literário move-se dentro do poema

perscruta, como que por acaso,

a mesa onde a palavra «eu»

se encontra grafada. hesita

por um instante. é neste momento

que me vejo obrigado a explicações:

a hesitação do crítico não deve ser

demasiado prolongada, em todo

o caso, por todos percetível.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s