Poesia Portuguesa / Rui Almeida

Sabes de quem foste camarada e sabes – Rui Almeida

Sabes de quem foste camarada e sabes
A forma irregular e escondida como abraçaste
Cada um dos que entornaram para dentro

De ti o líquido da delicadeza, a sombra
Da amizade. Dormes agora desfeito,
As pernas encolhidas debaixo do corpo,

Mentes a ti próprio e não sabes. Vai
Devagar até ao ponto onde deixaste
Ficar a marca da tua mão na areia. Volta

Sem esse medo entranhado, bem
Sabemos que não é fácil. Não é fácil essa
Pouca morte a lamber-te os pés, a subir

Sem que possas sequer gritar por outra
Vida mais encostada à almofada dos teus
Dias. Come desse pão, limpa essa mesa onde

A infância te deu as ilusões possíveis. O mar,
Sempre o mar, está longe, por dentro de cada
Um dos teus ouvidos, derramando-se,

Abundante. Sabes onde estás, não sabes
Para onde te leva a fome, a vontade
Ou a ausência de deslumbramentos. Vai.

*

(poema de Rui Almeida).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s