DiVersos / Notícias / Revistas

Revista de poesia e tradução DiVersos 21

Diversos 21
SUMÁRIO

Na aldeia-globo, com fios e sem fios, sabemos hoje por vezes mais sobre os antípodas que sobre a terra ao pé da porta – e o mesmo se pode passar com a poesia e com as línguas de que a traduzimos. Desta reflexão à vontade de seguir mais de perto a poesia escrita em galego vai um pequeno passo, que adiante tentaremos explicar. E começando (recomeçando) por algum nome, que outro mais indicado que o de Rosalía de Casto?
De ao pé da porta, já o foram menos do que hoje nos soam, línguas como o alemão, da qual trazemos a este número alguns poemas de Georg Heym, poeta de algum modo precursor do expressionismo tão característico da cultura germânica no início do século XX. Do inglês, hoje língua franca global, lembramos o centésimo aniversário do nascimento de Dylan Thomas, poeta algo atípico na poesia de língua inglesa do seu tempo. Mas cujo nome, adotado por Robert Zimmerman quando decidiu fazer-se conhecer no munda artístico por Bob Dylan, indica já algo de intrigante nas complexas relações entre o recato e elitismo literário do século XX e a omnipresente cultura mediática «pop» contemporânea.
Da poesia de língua italiana, francesa e castelhana, que de mais perto partilham a comum raiz latina, Sergio Corazzini, fugaz meteoro e ele também algo expressionista na poesia de seu país; Andrée Chedid, ponte entre Egito, Líbano, França, Europa; Ramón Peralta, que nos leva a um maior despaísamento ao transportar-nos de algum modo ao «fantástico» da literatura moderna sul-americana e em particular do México, completam os poetas traduzidos neste número.
Dos autores de língua portuguesa, Amadeu Baptista, já várias vezes presente na DiVersos como poeta e como tradutor de poesia; António José Queiroz, poeta e editor de poesia (revistas Saudade, Pena Ventosa, entre outras) e homem universal do Norte tanto quanto da pequena pátria das Terras do Tâmega; Francisco Cardo (pela primeira vez na DiVersos), Luísa Palma e Nicolau Saião (já mais do que uma vez incluídos nesta série), presenças elas também do universal e tão local Alentejo; e três nomes do Brasil, Carina Carvalho, jovem paulista atraída «pela luz das cozinhas pela manhã»; Iacyr Anderson Freitas, da rara ou não tão rara espécie do poeta engenheiro (é formado em engenharia civil), oriundo de Minas Gerais e com vasta bibliografia em poesia e outros domínios; e Renato Suttana, já antes presente na DiVersos (n.º 14), hoje aqui com poemas inéditos de um livro em preparação, professor universitário, tradutor, poeta, crítico e ensaísta, oriundo de Minas Gerais e radicado em Dourados no pronfundo Mato Grosso do Sul, completam este número.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s